Aulas de teatro para executivos prometem ajudar a falar em público – Revista sãopaulo

GUSTAVO FIORATTI

DE SÃO PAULO

Ouvir o texto

Selo Executivos  Ednaldo Costa*, 45, diretor financeiro em uma consultoria de recursos humanos, havia feito a lição de casa. Elaborara e ensaiara uma cena para apresentá-la aos colegas do curso de teatro para executivos na Faap (Faculdade Armando Alvares Penteado).

Levou o resultado ao palco sem gaguejar, com pausas didáticas entre as frases e boa dicção. No entanto, houve algo fora do lugar: incomodado com a forte luz de dois holofotes instalados justamente para iluminá-lo, Ednaldo, sem perceber, foi lentamente escorregando para uma zona escura da cena.

“Gente, vocês precisam entender que os holofotes estão aqui para iluminar vocês. É desconfortável, mas vocês precisam ficar na luz”, ensinou a professora Nany di Lima ao comentar a cena apresentada a uma turma de 20 alunos. O curso de teatro para executivos tem oito sessões de três horas cada e custa R$ 1.400. O próximo será em agosto.

 Erick Diniz/Folhapress Anterior Próxima Curso de teatro para executivos da Fundacao Armando Alvares Penteado visa aprimorar as capacidades de comunicação interpessoal


Erick Diniz/Folhapress

Atuar não é exatamente o objetivo de Ednaldo. Ele não recorreu a técnicas teatrais para levar um papel adiante, mas para evitar papelão no trabalho. Aulas de teatro para executivos prometem potencializar a capacidade de falar em público, afiar a postura e desengessar o excesso de formalidade nos relacionamentos pessoais.

Mas as intenções dos alunos podem ser as mais variadas. “Eu quis apenas procurar algo diferente do clima que a gente vive no escritório. Ter um momento de diversão e leveza”, diz Sílvio Veloso, 31, executivo da Unilever. Ele não tem dificuldade para se apresentar publicamente. Fez o curso acreditando na oportunidade “de diversificar sua experiência corporativa”.

Durante as aulas, no entanto, percebeu que estava com seus colegas em uma “luta contra a timidez”. O curso é montado principalmente a partir de exercícios e jogos de improvisação. Nas primeiras aulas, há certa resistência. “Existe, sim, esse medo de cair no ridículo. Depois algumas pessoas acabam se soltando mais do que outras; acho que fiquei no meio-termo”, analisa Sílvio. “O que a gente faz lá é muito fora do nosso dia a dia. Demora um pouco para virar a chave.”

Para a executiva da indústria farmacêutica Simone Jeane Ladwig, 40, as aulas podem ajudar a perder a timidez. “Tenho de falar sempre para 20 ou 30 pessoas, isso faz parte do meu trabalho, e geralmente fico nervosa, especialmente no início da apresentação”, conta.

Um dos exercícios busca aprimorar a atenção dos alunos, ou a capacidade de perceber o entorno. Os participantes caminham pela sala; de repente, a professora ordena, “quero dois círculos”, e esses círculos têm de se formar espontaneamente.

Há enfrentamentos mais interessantes do que rebolar na frente de colegas. O exercício que melhor exemplifica o curso, diz Nany, é aplicado na primeira aula. Os alunos caminham, ocupando a sala, e a única coisa que precisam fazer é olhar nos olhos uns dos outros. “Algumas pessoas param de respirar. Daí você vê a dificuldade que muita gente tem de olhar nos olhos das pessoas, sem constrangimento.”

Para ela, o curso procura resgatar o exercício de enxergar o outro, ou de se espelhar no outro, “do ascensorista ao presidente executivo.” Com uma rotina repleta de formalidades e protocolos, a maioria parece buscar ali uma maneira de interpretar papéis menos rígidos.

Curso de teatro para executivos da Fundacao Armando Alvares Penteado visa aprimorar as capacidades de comunicação interpessoal

Curso de teatro para executivos da Fundacao Armando Alvares Penteado visa aprimorar as capacidades de comunicação interpessoal

*Ednaldo Costa é Diretor Financeiro da Thomas Case & Associados


Ariel Cannal

Os comentários estão fechados.