É hora de investir em qualificação

Avaliação de cinco estrelas

Não há nada mais incômodo do que entrar em um estabelecimento comercial para, por exemplo, tomar um café, e esperar que os quatro funcionários atrás do balcão, parem de conversar entre si e olhem para nós para então perceber que queremos ser atendidos. Má vontade? Preguiça? Timidez? Talvez um pouco de tudo isso, mas com certeza há um componente fundamental oculto nesta atitude: eles não estão qualificados.

Essas pessoas não entenderam, e é preciso ensiná-las, como o atendimento apropriado é bom para o dono do negócio, mas é ainda melhor para o emprego delas. Um profissional atento, pronto a colaborar, que percebe as dificuldades do país – que se refletem na empresa em que ele trabalha – é sempre bem visto, principalmente em momentos de crise. No entanto, este profissional deve se preparar. E nada melhor para a preparação e para a evolução do que investir em qualificação. E, se naquele momento a empresa não puder investir, o profissional deve fazer um esforço e custear o seu próprio desenvolvimento. Uma recente pesquisa do IBGE apontou que 40 milhões de brasileiros desejam fazer um curso de qualificação.

E o que é qualificação, afinal? É a capacidade de inovação, é a habilidade para identificar as necessidades do cliente, é a atitude positiva de querer crescer e ser melhor como profissional e como pessoa. Parece tudo muito subjetivo, eu sei, mas é uma realidade crescente.

Vamos voltar ao exemplo inicial: atenção ao cliente. Suponha que a pessoa que está aguardando atendimento seja um importante empresário, que coincidentemente está precisando contratar um bom profissional para o setor de serviços de sua empresa. Será que ele contrataria alguém que não lhe deu a devida atenção, causando-lhe desconforto e irritação? Ou será que, se fosse bem atendido com cordialidade, eficiência e rapidez, não levaria em conta essas qualidades para fazer um convite de trabalho?

Reflitam sobre pontos de vista: no caso de uma consultoria em RH, o candidato à uma vaga de hoje, poderá sem dúvida, ser o assessorado de amanhã, já o assessorado de hoje poderá também ser um forte agente de negócios para a consultoria que ele considera que o assessorou corretamente.

Da mesma forma que as empresas se preocupam com a permanente adaptação às novas tecnologias, investindo em inovação e criando alternativas para poder sobreviver às mudanças na economia, os profissionais devem estar sempre se esforçando para crescer, entretanto buscando sempre uma qualificação que o faça competitivo no mercado de trabalho ou em novos objetivos profissionais futuros. A zona de conforto é sempre prejudicial a ambas as partes. Um profissional qualificado terá sempre várias opções: crescer na empresa, procurar alternativas em outra organização ou até empreender em uma alternativa de negócio próprio.

Quando uma empresa procura contratar alguém, obviamente a faz para suprir uma necessidade, via de regra urgente e, neste caso, o empregador não terá tempo para treinar o novo colaborador e isto significa que escolherá o candidato que estiver pronto, preparado, qualificado e que poderá apresentar resultados rapidamente.

Por tudo o que vimos, mesmo na crise, faça um esforço e busque qualificação. Você, profissional, só tem a ganhar com isto. O país também.


Norberto Chadad | CEO das empresas Thomas Case & Associados e Fit RH Consulting
Norberto Chadad | CEO das empresas Thomas Case & Associados e Fit RH Consulting

Mestre em Alumínio pela Escola Politécnica, Mestre em Metalurgia pela USP, MBA pela Los Angeles University, Graduado em Economia pela FGV e Graduado em Engenharia Metalurgista pela Universidade Mackenzie

Os comentários estão fechados.