Equilíbrio entre fôlego emocional x fôlego financeiro na transição de carreira

Descrição: Executivo relaxando na praia

Fô-le-go: movimento completo da respiração, folga, descanso, ânimo.

É possível respirar pausadamente e com tranquilidade durante o processo de recolocação? Ao que tudo indica temos a sensação de que não, porque a palavra “recolocar” ecoa sentimentos como angustia, medo, cobrança, frustração, ansiedade e, até mesmo, depressão. Nessa hora como manter a estabilidade?

Quando um profissional se movimenta no mercado de trabalho faz-se necessária uma autoavaliação dos próprios fôlegos emocional e financeiro, objetivando um equilíbrio entre ambos.

A organização financeira, a princípio é mais “simples” de ser estruturada: contas, planilhas, cortes, redução, reeducação social etc., contudo, a preocupação com essa composição pode e interfere diretamente na questão afetiva.

Muitos profissionais possuem reservas financeiras de até 12 meses ou mais, entretanto não possuem um “sopro” emocional para enfrentar dois meses de disponibilidade no mercado de trabalho.

A aflição, a exigência interna e externa, a insatisfação e o temor acabam interferindo nas escolhas erradas, precipitadas e/ou não tão aderentes ao foco principal do desenvolvimento da carreira, tudo porque a harmonia entre o afetivo e o analítico está em desacordo.

É muito comum ouvirmos nesse cenário: “não consigo ficar em casa sem fazer nada!”; “não sei ficar em casa mais de uma semana”; “eu não saía em férias há mais de 3 anos”. Como minimizar tudo isso? Como ajustar emoção e razão?

Efetivamente respire. Permita-se passar por esse momento sem grandes agonias e descrenças. Confie em você!

Cuide-se (físico e mental). Realize exames médicos e resolva problemas em bancos, cartórios. Pratique exercícios físicos e tenha menos aborrecimentos.

Viva socialmente. Faça networking sim, todos os dias, mas também converse e saia com a família e amigos, resgate o velho happy hour. Continue sorrindo!

Organize e planeje seu dia. Não procure emprego 24 horas por dia. Divida seu tempo entre atividades pessoais e busca por oportunidades.

Atualize-se. Faça cursos, participe de palestras que não necessitem de investimento financeiro e no intervalo de um workshop e outro, tome um sorvete!

Lembre-se: a definição de Recolocação (recolocar + ação) é a ação de colocar novamente; ato de colocar algo de maneira nova. Exercite esse movimento em sua transição de carreira de forma estruturada e equilibrada – emocionalmente X financeiramente – para alcançar o melhor resultado e, que esse resultado, seja saudável em todos os aspectos da vida!


Vanessa Novais
Vanessa Novais

Vanessa Novais Vasconcellos tem Especialização em Psicologia Hospitalar pela Santa Casa de Misericórdia, Graduação em Psicologia pela Universidade São Judas Tadeu (há 23 anos), experiência de 17 anos na área de Gestão de Carreiras e de Pessoas desenvolvida em grandes consultorias de Recursos Humanos e atua como Gerente de Transição de Carreira na Thomas Case & Associados.

Os comentários estão fechados.