Home Office: como lidar com a distância, horas extras e ferramentas da empresa?

O trabalho em home office é um sonho para uma boa parte de nós profissionais.

Estar no ‘aconchego do lar’, não enfrentar o trânsito caótico da maioria das cidades brasileiras, ter liberdade de escolher a que horas iniciar e terminar as atividades parecem ser algumas das afirmações mais comuns para eleger o home office como uma meta a ser alcançada. Mas, nem tudo são flores!

Uma verdade, que devemos considerar, é que o home office é para poucos: os altamente disciplinados.

E o que é disciplina? Segundo os dicionários, a palavra significa o conjunto de leis ou ordens que regem o funcionamento regular de uma organização ou coletividade. Assim, mesmo em casa, somos profissionais que estamos submetidos a processos, procedimentos e regras que norteiam uma tarefa que nos foi designada.

E mesmo que estejamos com a aparente sensação de maior liberdade para agir e trabalhar, estamos sujeitos aos ordenamentos organizacionais que definem as atividades que desenvolveremos, os recursos tecnológicos e informações às quais teremos acesso e as interações sociais que estabeleceremos com as pessoas dentro e fora da Cia.

Pode-se, então, entender que o perfil do profissional para o trabalho em home office passa por competências como habilidade para coleta e análise de dados, estabelecimento de prioridades, desenvolvimento de planejamento e estratégia, elaboração de plano de trabalho, gerenciamento de tarefas e detalhes, capacidade de tomada de decisão e independência, dentre outras.

Estas competências certamente são de fundamental importância para a organização do trabalho em home office, proporcionando um eficaz gerenciamento da distância que o mesmo estabelece dos superiores, pares e parceiros.

Algumas características pessoais do profissional em home office também são aspectos importantes a considerar, pois como o acesso à organização dá-se, via de regra, com os recursos da tecnologia, todo o zelo com as ferramentas de trabalho e com as informações confidenciais mostra-se de alta relevância.

Comprometimento, confiabilidade, responsabilidade, racionalidade, autocontrole e segurança são características que realçam a habilidade de lidar com o capital intelectual da organização e com o que pode ser compartilhado, garantindo os padrões de ética e moral no trabalho.

E, para o sucesso do home office, notadamente, não podemos deixar de ressaltar que um comportamento pautado na transparência das ações é fundamental, pois se como dissemos no início deste artigo, que esta modalidade de trabalho é o sonho de muito de nós, temos de ter ainda mais cuidado no cumprimento dos horários de trabalho e das atividades.

Somos os guardiães de nosso tempo e de nossas responsabilidades corporativas, mas temos que lembrar que não estamos sozinhos e que, a todo o momento, podemos – e devemos –, reportar a quem de direito, nossos atos. Compartilhar informações sobre as horas de trabalho, tarefas desenvolvidas, horas excedentes de atividade, dificuldades encontradas, problemas e soluções geradas, como se estivéssemos na empresa é nosso dever, pois fazemos parte de uma equipe e com ela estamos ligados, graças às maravilhas da tecnologia.

Então, vamos aproveitar a oportunidade do home office, também, para aprimorar nossas competências, habilidades e atitudes. Estaremos ganhando muito mais do que, apenas, trabalhar em casa!


Marcia Vazquez
Marcia Vazquez

Marcia Vazquez tem MBA em Gestão de Pessoas pela Universidade Anhanguera, Certificação em Hogan pela Hogan Brasil, Certificação em Coaching pela International Coaching Community (ICC), Pós-Graduação em Gestão de RH pela Universidade São Marcos, Especialização em Análise Transacional pelo IBAT, Graduação em Psicologia pela FMU e atua como Gestora do Capital Humano da Thomas Case & Associados.

Os comentários estão fechados.