Sobre limões e limonadas

Sobre limões e limonadas

“Se a vida te dá um limão…”

A questão, originada de testes de atitude comportamental diante de adversidades, era muito aplicado antigamente, e visava selecionar aqueles que demonstravam criatividade, espírito de humor, persistência e destemor diante de um desafio particularmente difícil. Não comporta resposta certa, pois o conceito de limão é elástico e pode tanto significar algo complicado, difícil de engolir (precisa descascar e ainda assim é azedo) quanto algo que acrescenta, soma e melhora o resultado geral (pode ser usado como tempero). Mas parece ser de senso generalizado que fazer uma limonada é uma resposta adequada ao estímulo provocado pela presença do limão na vida da pessoa. Em outras palavras, usa-se a adversidade, aqui representada pelo limão, para se buscar uma saída feliz, aqui representada por uma refrescante limonada, diante da qual qualquer problema passado fica até em segundo plano.

Na vida profissional, deparamo-nos muitas vezes com o limão da falta de reconhecimento, o limão do emprego onde não somos valorizados financeiramente, o limão do emprego que não nos dá oportunidade de emprego, o limão do preconceito contra a idade e o sexo, o limão da falta de bagagem acadêmica, o limão da ausência de atualização profissional, o limão da incapacidade de praticar o networking, o limão de um mau desempenho, o limão da falta de estabilidade empregatícia, o limão da falta de tempo para si e para a família, o limão da falta de perspectiva no futuro.

Penso que todos concordarão comigo quando digo que não existe pior limão, não existe limão mais azedo ou de casca mais grossa, do que a brusca mudança de vida ocasionada por um desemprego. Perder o emprego para muitos pode ser o limão por excelência, aquele momento no qual talvez a autoestima do profissional atinja os níveis mais baixos. Para estes casos, minha recomendação pessoal é a busca da limonada da Transição de Carreira. Em uma pesquisa recente que publicamos, mais de 95% dos respondentes desempregados haviam buscado ou estavam buscando uma Transição de Carreira, contra cerca de 81% dos empregados – para estes, já se encontrou a receita da limonada, a refrescante e doce limonada, e no sentido amplo, podemos pensar, nos vários tipos de limonadas adequadas a cada: a limonada da prática saudável e constante do networking, a limonada de busca aos headhunters, a limonada de enviar currículos diretamente para os sites das empresas contratantes, a limonada da abordagem direta a possíveis empregadores, a limonada de responder anúncios em jornais, a limonada de tentar aprovação em um concurso público.

A necessidade de enfrentar a dificuldade (o limão) faz com que os profissionais busquem saídas e procurem alternativas de crescimento, as vezes se traduzindo em mudanças drásticas ou, na maior parte, em apenas mudanças situacionais. Fazer do limão uma limonada, portanto, representa o sonho de mudança de todo profissional em busca de um novo e melhor horizonte. Não por acaso, a mesma pesquisa apontou que para 74,6% dos respondentes deve-se buscar uma Transição de Carreira quando se deseja um emprego que ofereça maiores perspectivas de crescimento.

Fatores que mais influenciam no processo de Transição de Carreira são os resultados alcançados no emprego e a demonstração uniforme de entusiasmo e interesse por parte do profissional. Vejo com esperança que é possível uma melhor condição para todos, é possível que todos possam fazer limonadas dos seus respectivos limões, se o profissional tiver a consciência de investir na própria carreira enquanto é tempo, consolidando e cultivando o networking. Faça uma limonada do seu limão, mas adicione açúcar e gelo a gosto. O sucesso não precisa ser uma limonada azeda!


Norberto Chadad

Norberto Chadad é Engenheiro Metalurgista pela Universidade Mackenzie, Mestre em Alumínio pela Escola Politécnica, Economista pela FGV, CEO da Thomas Case & Associados e Fit RH Consulting, e tem “Paixão por Pessoas”.

Os comentários estão fechados.